Milagres e Chagas

Therese Neumann (1898 – 1962) foi uma mística católica alemã e estigmatizada. É relatado que a partir de 1923 até sua morte, em 1962, aparentemente, ela se alimentava apenas da Sagrada Eucaristia, e afirmava que deixou de beber água de 1926 até a sua morte. Você pode explicar tal milagre?

O Guia: Há muitas, muitas coisas possíveis neste mundo. O que vocês chamam de “milagres” são simplesmente leis que vocês não entendem de forma semelhante a muitas pessoas que não entendem as leis que governam a comunicação com o Além; que um espírito possa manifestar-se através de um médium.

No entanto há muitas leis espirituais que governam a obtenção de domínio por uma pessoa sobre o seu corpo físico, e essa pessoa não é a única que o fez. Existem outras, também, cujas funções físicas são completamente controladas. Quando isso acontece, certas do Mundo Espiritual podem acontecer. Esse fenômeno faz parte do mesmo  capítulo.

Normalmente, isso significa que tal pessoa é muito desenvolvida espiritualmente. Essas pessoas têm uma tarefa a cumprir. Elas trazem algo para a humanidade que elas despertam. Elas produzem o que é chamado de “milagre”.

Aqui eu quero enfatizar o ponto, embora vocês todos o saibam, de que não existem milagres no sentido em que essa palavra é comumente entendida, a menos que você considere o Universo inteiro como um milagre, o que ele é, é claro! Mas existem apenas leis, algumas das quais você entende e muitas das quais você não entende. A humanidade caiu no hábito de chamar as leis ou acontecimentos que não entende de “milagres”.

(Palestra Pathwork #17)

O poder das leis cósmicas está disponível o tempo todo, mas para que tal poder se manifeste, depende de certas combinações e conjuntos de circunstâncias que devem se apresentar sincronicamente.

Na Terra, esse poder se manifesta em casos isolados porque raramente existe  a combinação das  circunstâncias necessárias. Mas quando isso acontece, o ser humano chama essa manifestação de milagre, simplesmente porque não compreende as leis que estão em operação.  Se você observar  os mecanismos complexos e  a variedade de condições que precisam ser preenchidas a fim de que  aparelhos eletrônicos que fazem parte do nosso cotidiano funcionem – rádio, televisão, avião, computador -, talvez, você tenha um pequeno vislumbre de compreensão sobre como funcionam os acontecimentos que a humanidade insiste em chamar de “milagre”.

A combinação múltipla e complexa de condições e pré-requisitos a fim de que algo venha a funcionar está mais intrinsecamente enredado do que qualquer coisa que você possa imaginar. As correntes de poder do Espírito são infinitamente mais fortes do que o poder e a energia necessários para operar um equipamento técnico da Terra.  Na verdade, é o mesmo poder ou correntes cósmicas que estão operando, só que estão convertidos em manifestações automáticas  e não-espirituais para o uso prático. A engenhosidade da mente criou as condições para que esses poderes pudessem operar.

Em princípio, acontece a mesma coisa com aquilo que é denominado de “milagre” e que, aparentemente, acontece ao acaso e como se fosse uma coincidência. Mas isso ocorre apenas porque os seres humanos não pesquisaram e não descobriram as leis que regem essas manifestações. Os equipamentos modernos, que agora lhes parecem tão familiares, teriam sido reconhecidos como o maior dos milagres há apenas uma centena de anos atrás e, até mesmo, em um tempo muito menor do que isso, simplesmente porque o seu modo de operação não tinha ainda sido compreendido.

Mas, hoje em dia, você não chama essas manifestações de milagres. Um indivíduo mergulhado neste mundo materialista, cego para o poder do espírito e das leis cósmicas, nunca poderá ver ou sentir a sua manifestação e existência. Ele irá negar a existência deste poder ou vai chamá-lo de milagre.

Assim sendo, dentro desta realidade, a natureza intrínseca do universo é mal compreendida. Porém, conforme a consciência vai se expandindo, se alargando e  se  aprofundando, mesmo que alguém não possa compreender o funcionamento exato das leis necessárias para produzir tais fenômenos, o conhecimento já existe: de que uma infinita variedade de condições complexas devem ser combinadas e unidas para que tais manifestações “milagrosas” ocorram.

 

Então, como foi possível que Jesus pudesse realizar tantos milagres e muitas vezes?

O Guia: Devido à pureza do seu espírito que, de tão puro, o poder ou as correntes de poder do Espírito não se diluiam e permaneciam disponíveis. É exatamente por esta razão.

(Palestra Pathwork #110)

Próxima Página